quinta-feira, 23 de julho de 2009

Som e furia!

essa minisserie da globo me lembra como foi bom um dia pisar nos palcos. Aguentar chatisse de diretor, piti de ator.
era tão legal tentar se superar, pensando, sonhando, querendo a todo tempo querer mudar e a todo tempo mudando.
saudade aperta, não sei se pelo amor ao teatro ou se pela hernia. O humor as vezes me doi. Mas so quando o humorista sou eu.

teatro, a viajem da alma, onde todos os desejos, mesmo que gordos, se tornam drogas.
as mesmas que entorpecem a alma, as mesmas que nos transformam em apenas corpo e sem alma.
talvez nem alma tenhamos, talvez so estamos esperando, mas quando estou no palco,
aquele estou representando não e nada mais do que mais um dos meus danos.

pretensão minha viajar assim... eu sou apenas um cadjuvante diantes dos pulam de corpo e alma no palco

Parabens ao teatro brasileiro que ainda resiste ao povo brasileiro.

quarta-feira, 22 de julho de 2009

a dor dos que não doem

toda idiotice vem das besteiras que achamos comum
comuns são todos que achamos idiotas
o circulo é tão vicioso que minha alma explora brexa da dor das possibilidades do amor
virtuoso e insencivel me vejo perdido em um coração partido
entro e impreguino, sou como um viruz dependente do mesmo que quer destruir
e no final nada sobra, so a dor que assola a alma
e como uma doença epidemica, me vejo denovo corroendo outro coração,
outro anjo comum, sem sexo, sem cabelo
me chamando parencendo que como por apelo
e na minha idiotice faço as mesmas besteiras de sempre
atendo ao apelo e acabo com outro coração sem desejo

domingo, 5 de julho de 2009

quinta-feira, 2 de julho de 2009